Apologética Católica

Os erros e acertos dos Reis de Israel


Ana a serva – Prefiguração de Maria:

O estabelecimento do reino eterno de Davi, um tema que ocupa o restante da Bíblia, incluindo o Novo Testamento, é introduzido por Samuel, o último dos juízes de Israel.

Samuel nasce em um tempo de caos político e moral como o dos juízes, dos quais a Sagrada Escritura diz: “Pois naquele tempo, não havia rei em Israel e cada um fazia o que lhe parecia melhor.” (cf. Jz 17, 6; 18, 1; 19, 1; 21,25). A infidelidade de Israel, simbolizada pela corrupção do sacerdócio de Helí (1 Sam 2,12-17, 27- 36; 3, 11-14) é punida quando os filisteus atacam matando 4.000 soldados israelenses, incluindo os dois filhos maus de Heli, Jofni e Finjas e tomam a Arca da Aliança. Ao ouvir da captura da Arca, Helí cai de sua cadeira, quebra o pescoço e morre (1 Sam 4).

Samuel, que nasceu em resposta às orações de uma mulher estéril e foi consagrado a Deus (1 Sam 1), e assume a posição de Heíí. A mãe de Samuel, a fiel Ana, prepara o caminho para Maria, a mãe de Jesus (ver CCC n 489).

Três vezes ela aparece como a serva do Senhor, ocupando a mesma palavra que Maria usará ao responder à Anunciação (ver 1 Sam 1,11, 16; Lc 1,38). No grande cântico de Maria, o Magnificat, ouvimos numerosos ecos da ação de graças que Ana canta (ver 1 Sam 2, 1-10; Lc 1, 46-55).

Forjando uma monarquia em Israel

Samuel, filho de Ana, cresce e se torna um homem bom e santo. Ele consegue retornar “toda Israel” para o Senhor (veja 1 Sam 7, 2-3). No entanto, em sua velhice, as pessoas exigem que Samuel lhes dêem um rei “, como o costume em todas as nações “(1 Sam 8, 5).

O pedido de Israel é pecaminoso e blasfemo. Isso mostra que eles ainda não entendiam seu chamado especial para serem o povo escolhido por Deus, seu primogênito.

Deus diz a Samuel: “Não é a ti que rejeitam, mas a mim, para que eu não reine sobre eles” (cf. Sam 8, 7; 12,12, 17, 19-20). Moisés havia previsto que o povo iria exigir um rei. Ele fez a previsão que qualquer rei teria que copiar toda a Lei e lê-la todos os dias, pelo resto de sua vida (cf. Dt 17, 14-20).

No entanto, os israelitas não estavam procurando por um rei santo. Eles queriam um que “nos dirigisse e fosse à frente de nós em nossos combates” (1 Sam 8, 19-20). Eles não dizem nada sobre Deus nesta ocasião, nem sobre seu culto. Esqueceram o pacto de ser um povo sacerdotal e santo (Êx 19, 5-6). Saulo é o tipo de rei que eles querem, um homem de acordo com seu coração, um rei-guerreiro, mas sem se importar com a devida adoração ou os mandamentos de Deus. Quanto a isso, é muito notável que Saulo desobedece as instruções de Samuel e oferece sacrifícios como sacerdote, algo que Deus não queria para os reis (1 Sm 13, 8-13).

No próximo capítulo veremos como Deus nega Saulo e escolhe Davi como Seu Rei e Sacerdote.

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s