Espiritualidade Católica

Vencendo as Tentações


Diabo – Divina Comédia de Dante

Tem havido um crescente interesse nas várias manifestações de Satanás em nosso meio. Talvez devido ao uso das comunicações sociais, nós nos tornamos mais conscientes do que nunca do preocupante aumento do envolvimento com os cultos satânicos, especialmente entre os jovens.

Essa consciência, no entanto, não significa necessariamente que entendamos melhor o funcionamento do diabo ao nosso redor. Pelo contrário, poder-se-ia argumentar de maneira persuasiva que, com a escassez de catequese substantiva durante os últimos quarenta anos, os católicos podem ser mais ignorantes do que nunca do Maligno e de sua presença difundida.

Ao discutir o funcionamento de Satanás, muitos autores espirituais focalizam duas categorias:

1.) Atividade Satânica Extraordinária, que abrange variados males como a dor externa causada por demônios, possessão diabólica, opressão diabólica, obsessão diabólica, infestação diabólica e subjugação diabólica;

2.) Atividade satânica comum, que, em uma palavra, é tentação.

Esta postagem aborda muito brevemente a segunda categoria, ou seja, o funcionamento de Satanás em sua atividade “ordinária”, que é a tentação.

Em relação à primeira categoria, para obter mais informações sobre extraordinária atividade satânica, deve-se recorrer a um autor aprovado; se algum distúrbio diabólico parece presente, deve-se abordar um diretor espiritual competente e até mesmo o Bispo Local. Embora, infelizmente, a Igreja esteja cada mais desprovida de sacerdotes verdadeiramente crentes no Santo Evangelho, pois alguns até mesmo negam a existência do Diabo, e rejeitam como possíveis as aflições demoníacas como as possessões e outras manifestações sobrenaturais de natureza maligna.

Nossos três inimigos espirituais

Existem tratados valiosos do importante assunto da tentação. Podemos citar o famoso padre sulpício francês, o Reverendíssimo Padre Adolphe Tanquerey, D.D. (1854-1932), apresentado em seu clássico A Vida Espiritual: Um Tratado sobre Teologia Ascética e Mística (Tournai: Desclee & Co., 1930, segunda e edição revisada, traduzida pelo Reverendo Padre Herman Branderis, SS, AM, páginas 101 -119 e 427-436).

Nós temos três inimigos espirituais:

1.) a carne;

2.) o mundo;

3.) o diabo.

A carne é freqüentemente chamada de “concupiscência”, que é a inclinação para o pecado no fundo de nós. O mundo e o diabo são externos a nós, mas também ameaças muito poderosas à nossa felicidade verdadeira e duradoura. Aqui vamos dizer uma palavra sobre cada um, com um aceno para o padre Tanquerey por sua ajuda.

1.) Baseamos nossa descrição da carne na famosa passagem de São João Apóstolo e Evangelista (+ por volta de 100 dC) em sua primeira carta (2,16):

“Por tudo o que há no mundo, a concupiscência do carne e a concupiscência dos olhos e a soberba da vida não vem do Pai, mas vem do mundo. ”

Portanto, o inimigo espiritual que denominamos carne pode ser subdividido em:

A.) a concupiscência da carne, que é o amor desordenado dos prazeres sensuais;

B.) a concupiscência dos olhos, que é toda curiosidade doentia e amor desordenado dos bens da nossa terra;

C.) o orgulho da vida, que é excessivo amor próprio e é acompanhado pela vaidade.

2.) O mundo significa “não o agregado total dos homens sobre a terra, entre os quais se encontram almas escolhidas e homens sem religião; mas a soma total daqueles que se opõem a Jesus Cristo e são escravos da tripla concupiscência”. Identificados como tais são os incrédulos, os pecadores indiferentes e endurecidos e aqueles que acreditam e até praticam sua religião, mas o fazem atolados em uma frouxidão moral.

3.) O Diabo é representante de Satanás e dos Anjos Caídos. O Diabo estava com ciúmes do contentamento experimentado por Adão e Eva e assim os tentou a pecar. Desde que foi bem-sucedido no Jardim do Éden, o Diabo continuou seus esforços contra homens e mulheres, meninos e meninas com o horrendo objetivo de levar todas as pessoas humanas para longe de seu amado e amoroso Criador.

Atividade Satânica Ordinária – Tentação

A tentação nos vem da carne, do mundo e do diabo. O padre Tanquerey definiu a tentação como “uma solicitação ao mal por parte de nossos inimigos espirituais”. Deus nos permite ser tentados para que possamos merecer o Céu, mas Ele não nos tenta diretamente. A tentação é um meio de purificação e um instrumento de progresso espiritual. Por tentação, crescemos em humildade e amor a Deus.

Algumas pessoas são tentadas freqüentemente e intensamente, enquanto outras são menos tentadas, sem serem profundamente agitadas.

O grande Santo Agostinho de Hipona (354-430), Bispo e Doutor da Igreja, ensinou que existem três fases distintas, mas relacionadas, em cada tentação: A.) sugestão, que é a proposta de algum mal; B.) prazer, o que acontece quando, após o movimento em direção ao mal sugerido, há algum prazer acompanhante; C.) consentimento, que é quando a vontade se deleita no prazer, de bom grado o desfruta e cede a ele. O pecado só ocorre quando há consentimento.

Nossa resposta à tentação

Quando superamos a tentação, nossas almas são ajudadas notavelmente. Um magnífico triunfo resulta quando a tentação é evitada. O padre Tanquerey isolou três coisas que devemos fazer para vencer a tentação: 1.) impedir a tentação; 2.) batalha contra ela; 3.) graças a Deus depois de uma vitória e subir rapidamente após qualquer queda.

1.) Vigilância e oração são necessárias para evitar a tentação. Em relação à vigilância, afirmamos: deve-se evitar a presunção que nos compele a nos colocar desnecessariamente no meio da tentação, assim como os terrores vãos que aumentam o perigo e as ocasiões prejudiciais do pecado – pessoas, lugares, coisas e eventos. Quando a oração é acrescentada à vigilância, nas palavras do Padre Tanquerey, nos tornamos “invencíveis. Deus está preocupado com o nosso sucesso, pois é Aquele que o Diabo assalta em nós, é Sua obra que Ele destruiria em nós”.

2.) Resistência contra a tentação é indispensável. A tentação séria deve ser confrontada: A.) prontamente, sem hesitação; B.) energeticamente, com determinação e força; C.) perseverantemente, com tenacidade; D.) humildemente, que “atrai a graça, e a graça nos dá a vitória”.

3.) A tentação vencida significa que a pessoa abençoada deve agradecer ao Deus Todo-Poderoso, pois dele deriva a conquista. O pecado entregue é um convite ao pecador arrependido “para se humilhar sinceramente diante de Deus, para reconhecer sua incapacidade de fazer qualquer bem, para colocar sua confiança em Deus, para ser ainda mais cauteloso, e retornar à prática da penitência, falha assim reparada não constituirá um sério obstáculo à perfeição “.

Não nos lançamos à tentação sem necessidade real; no entanto, nem falhamos em ver que, quando Deus permite que sejamos tentados, é possível um incrível progresso espiritual.

Conclusão

Satanás é realmente ativo em nosso mundo por meio da tentação, mas quando oramos diariamente, recebemos os Sacramentos (especialmente a Confissão e a Santíssima Eucaristia) com dignidade e frequência, realizando atos de caridade e abnegação, nos valendo da intercessão de Nossa Santíssima Mãe e os Anjos e Santos e evitar a próxima ocasião do pecado, aumentamos na Graça Santificante e superamos as tentações que emanam da carne, do mundo e do Diabo.

2 respostas »

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s