Espiritualidade Católica

O que é o Temor a Deus?


sky sunset person silhouette

Filhos de Deus Pai por Cristo Jesus Cruz ao Pôr do Sol

A Igreja diz que os dons do Espírito Santo são transmitidos pela primeira vez no batismo e depois dados integralmente na confirmação. Não devemos subestimar esses dons. O Catecismo da Igreja Católica ensina: “A vida moral dos cristãos é sustentada pelos dons do Espírito Santo. Estas são disposições permanentes que tornam o homem dócil ao seguir os sussurros do Espírito Santo… Eles completam e aperfeiçoam as virtudes daqueles que os recebem. Eles tornam os fiéis dóceis em prontamente obedecer às inspirações divinas ”(catequese, n. 1830-31).

Vamos agora proceder a cada um desses dons. As definições básicas a seguir são citadas da obra clássica do padre Jordan Aumann, Theology of Spiritual ou Teologia Espiritual, em português. Outra boa referência é The Spiritual Life, A Vida Espiritual, de Adolphe Tanquerey. O Papa São Gregório Magno, querendo captar o dinamismo espiritual desses dons, propôs a seguinte ordem: “Pelo temor do Senhor, ascendemos à piedade, da piedade ao conhecimento, do conhecimento, da força, do conselho da força. com o conselho nos movemos para a compreensão e com inteligência para a sabedoria e assim, pela sétima graça do Espírito, abre-se para nós no final da subida a entrada para a vida do Céu ”(“ Homiliae in Hiezechihelem Prophetam ”, II 7,7).

Então, começamos com o dom do temor do Senhor. Esta dádiva permite que uma pessoa “evite o pecado e o apego às coisas criadas por reverência e amor a Deus”. Primeiramente, esse dom implica um profundo respeito pela majestade de Deus, que é o ser supremo. Aqui, uma pessoa percebe sua “criatividade” e dependência de Deus, tem uma verdadeira “pobreza de espírito”, e nunca iria querer ser separado de Deus, que é amor. Como tal, este dom desperta na alma um vibrante sentimento de adoração e reverência por Deus e uma sensação de horror e tristeza pelo pecado.

Este dom do temor do Senhor é às vezes mal entendido por causa da palavra “temor”. “Temor a Deus” não é um medo servil pelo qual uma pessoa serve a Deus simplesmente porque teme a punição, seja algum tipo de castigo temporal nesta vida ou a eterna punição do inferno. Um relacionamento genuíno com Deus é baseado no amor, não no medo. Portanto, esse “temor do Senhor” é um temor filial ou reverencial que leva a pessoa a fazer a vontade de Deus e a evitar o pecado por amor a Deus, que é todo bom e merecedor de todo o nosso amor. De maneira semelhante, uma criança não deve ser motivada a obedecer a um dos pais simplesmente por causa do medo de punição, mas por amor e respeito; uma pessoa que ama alguém não quer desapontar ou quebrar o coração da outra pessoa. Deve-se temer ferir um ente querido e violar a confiança dessa pessoa mais do que se deve temer a punição. No entanto, deve-se ter uma saudável sensação de medo pela punição devida ao pecado, incluindo o fogo do inferno, mesmo que isso não deva ser o fator motivador para o pecado.

Amar a Deus

Portanto, este dom motiva a pessoa de três maneiras: primeiro, a ter um sentido vívido da grandeza infinita de Deus; segundo, a ter uma verdadeira dor pelo pecado, mesmo pecados veniais, e fazer penitência para expiar os pecados cometidos; e terceiro, estar vigilante para evitar as próximas ocasiões do pecado, lutar contra a fraqueza pessoal e lutar contra a tentação.

O dom do medo traz à perfeição a virtude da esperança. Uma pessoa respeita Deus como Deus, confia em Sua vontade e ancora sua vida nEle. Ele se aproxima do Senhor com humildade, docilidade e obediência. Ele acredita em Suas promessas de perdão do pecado e vida eterna no céu. Além disso, este dom é a barra de lançamento para os outros dons. Como atesta a Sagrada Escritura, “Feliz o homem que teme ao Senhor, que se deleita muito em Seus mandamentos” (Sl 112: 1), e “o princípio da sabedoria é o temor do Senhor” (Sir 1:12).

Este dom também aperfeiçoa a virtude da temperança, que procura usar todas as coisas com sabedoria e moderação, nem em excesso nem em defeitos, especialmente aqueles prazeres sensíveis. Com a razão iluminada pela fé, a temperança controla as paixões. A temperança está relacionada com o dom do temor porque o respeito de Deus, e a consciência de ser feito à Sua imagem e semelhança, e ser redimido por Cristo, motiva a pessoa a dar glória a Deus sendo temperada em ações e desejos, não usando, fazendo, ou entregando-se a qualquer coisa em excesso ou defeito. Por exemplo, a castidade é uma virtude da temperança, que respeita a bondade da própria sexualidade, a santidade do casamento e a santidade do amor conjugal. Uma pessoa movida pelo dom do medo se esforça para viver uma vida casta porque Deus é o criador desses bens, e uma vida casta dá glória e louvor a Ele.

Esse dom também nos impede de estarmos muito ‘familiarizados’ com Deus, como se estivêssemos a nos relacionar com um ser qualquer aqui na terra. Somos vítimas do pecado original e sofremos de concupiscência; portanto, cada um de nós luta com um coração rebelde. Uma pessoa poderia facilmente aceitar o amor de Deus e presumir perdão sem contrição real; ou esquecer a majestade de Deus, tomando o seu santo nome em vão; ou fazer exigências de Deus e então ficar zangado quando não os encontrar; ou esqueça que todo dom é de Deus e egoísta; ou negligenciar a oração e a adoração porque não há tempo suficiente para Ele; ou desconsidere os mandamentos de Deus e os ensinamentos de Sua igreja. E sem medo do Senhor, tal pessoa poderia dizer: “Deus me ama do jeito que eu sou, e eu vou para o céu”. Alguém tem que perguntar: “Essa pessoa realmente ama a Deus?”. Nunca desanime o coração humilde e contrito, humilhará o soberbo.

Uma boa maneira de cultivar esse dom é através da oração diária e do culto na missa. Também são importantes os exames regulares e cuidadosos da consciência, bem como o uso regular do sacramento da penitência. Além disso, meditando sobre a infinita majestade de Deus, como contemplar o ícone de Cristo Pantocrator. Para mim, olhar para o belo Icone de Cristo em sua majestade na Catedral Nacional São Francisco Xavier, em New Providence, Nassau, me lembra não apenas que eu sou simplesmente uma criatura humilde que precisa da misericórdia de Deus, mas também sou uma criança amada pelo Senhor.

Em sua audiência em 11 de junho, o Papa Francisco refletiu sobre o temor do Senhor: “Este é o temor de Deus: o abandono na bondade de nosso Pai que nos ama assim. … Isto é o que o Espírito Santo faz em nossos corações: Ele nos faz sentir como crianças nos braços de nosso pai… com a maravilha e a alegria de uma criança que se vê servida e amada por seu Pai ”. Portanto, este grande presente de O temor do Senhor nos permite ter um relacionamento íntimo com a Santíssima Trindade.

1 resposta »

  1. Olá, boa noite!
    Estava pesquisando sobre livros que façam bons comentários sobre a Bíblia e encontrei. Fiquei feliz.
    Deus abençoe o trabalho de vocês. Serei seguidora deste projeto.

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s