Apologética Católica

Estudo Bíblico: Fim da Lição 3


The Sacrifice of Isaac, (oil on canvas)

A Atadura de Isaac – Por Phillipe de Champaigne

Nota ao leitor: Peço, em primeiro lugar, desculpas pelo atraso na publicação deste artigo. Em segundo lugar, que aqueles que aqui vierem, se possível, me ajudem a divulgar este conteúdo em suas redes sociais. Comentários são bem-vindos.

Atando a Isaac

São Paulo disse que a história dos dois filhos de Abraão, o ilegítimo Ismael cuja mãe era Agar, e seu herdeiro Isaac, nascido pela promessa de Deus à sua esposa Sara, simbolizada a diferença entre a Nova Aliança e Antiga (cfr. Gl 4 : 21-31).

Mas há um símbolo ainda mais profundo na terrível provação com que Deus fez Abraão passasse: oferecer seu único filho, Isaac, em sacrifício.

A interpretação desta história, como um prenúncio de como Deus ofereceu Seu único amado Filho na Cruz do Calvário, começou a ser vista na própria Bíblia e, em seguida, floresceu nos escritos dos Padres da Igreja, por exemplo São Augustine (cfr. Jo 3:16).

Duas vezes Deus elogia a fidelidade de Abraão nessa história: “Não recusaste a dar-me o teu único filho” (Gênesis 22:12, 15). Paulo repete as mesmas palavras da Septuaginta (a tradução oficial do Velho Testamento em grego) falando sobre a crucificação: “Nem sequer negou o Seu próprio Filho, mas o entregou à morte por todos nós” (Rm 8:32) .

Os Padres da Igreja viram outros paralelos interessantes:

Por exemplo, a montanha onde Deus pediu a Abraão que fizesse o sacrifício era o Monte Moriá. Ela está no mesmo lugar de onde veio Melquisedeque, em Salem. Também será construído nesse lugar o Templo do Senhor (cf. 2 Chron. 3: 1). Na verdade, a tradição judaica diz que o nome Jerusalem vem das palavras de Abraão, “Deus proverá” (Gn 22: 8; o hebraico é yir”eh ou jira) unido ao nome de Salem: Jira + salem.

O Calvário, onde Jesus foi crucificado, é uma das colinas de Moria. E tal e qual Isaac carregou a lenha do seu próprio sacrifício, e submeteu-se a ser amarrado à árvore, também Jesus, “filho de Abraão” (Mt 1: 1) carregou sua própria cruz e deixa que os homens o atassem à ela. São Agostinho também viu no carneiro, com seus chifres entrelaçados em um arvoredo, uma referência à coroa de espinhos (cfr. Gn 22:13).

As palavras de Abraão aos seus servos: “O menino e eu iremos lá em cima para adorar, e, em seguida, voltaremos à vós” (Gn 22: 5) podem ser interpretadas como uma promessa de ressurreição. O mesmo acontece com a Carta aos Hebreus: “Abraão certamente pensou que Deus era capaz de ressuscitar dos mortos. Por isso, recuperou seu filho, o que faz sentido para nós” (Hb 11: 17-19). Na verdade, Isaac é salvo no “terceiro dia” (cf. Gn 22: 4.).

Assim como a disposição de sacrificar seu próprio filho foi um sinal de sua lealdade, o sacrifício de Cristo nos traz “a bênção de Abraão” (cfr. Gl 3:14).

 IV. Época do Patriarcas: Jacó, o mais novo

Isaac cresceu e se casou com Rebecca. Como ela aconteceu com sua sogra Sarah, Rebecca sofreu infertilidade. Isaac, como seu pai Abraão, pede a Deus o dom dos filhos (Gn 25:21; 15: 3).

Enquanto seus gêmeos estão lutando em sua barriga, Deus diz a Rebeca que todo mundo vai ser uma nação, mas que o menor dos dois, Jacó, será mais forte do que o outro “e o maior [Esaú] servirá o menor” (Gn 25:23).

Este é outro fenômeno que ocorre em Gênesis. Deus sempre escolhe o filho mais novo, embora o estilo do mundo é dar privilégios e lugar de importância ao maior. O sacrifício de Abel é preferido ao de Caim. A Isaac em vez de Ismael. E José, o segundo mais jovem dos filhos de Jacó, será o herói dos últimos capítulos de Gênesis; e Ruben, o mais velho, o peca por não para defende-lo contra a inveja dos outros irmãos (cfr. Gn 37).

Por que Deus fez assim? Talvez a traição do filho primogênito de Deus, Adão, tenha causado um ruptura entre a maneira do mundo e a de Deus. No entanto, não se pode frustrar a providência divina. Salva-nos, apesar de nós mesmos, escolhendo os jovens, os fracos e pecadores para mostrar que a história da salvação se faz por Sua graça e Seu amor. São Pablo, interpretando esta escritura diz que Deus escolheu Isaac em vez de Esaú “e foi confirmado o direito que Deus tem de escolher, de acordo com seu propósito, aos que querem chamar, independentemente do que eles tenham feito” (Romanos 9: 11-13).

Vemos isso também na Bíblia, especialmente a história de Davi, o filho mais novo de Jessé, que Deus escolhe para ser ungido como rei (cf. 1 Sam. 16: 1-13). Os mais novos são os “motores” da História da Salvação até a vinda de Jesus, o Filho único de Deus, o primogênito da nova família de Deus. Jesus cumpre a promessa de Israel que é, como veremos na próxima lição, o “primogênito de Deus” entre as nações (Ex 4:22).

Não há que se distrair com o truque dramático de como Jacó recebe a bênção de Isaac. Já que Esaú provou que não era digno da bênção ao vender sua primogenitura a Jacó por um guisado de lentilhas. Então Esaú agiu “sem dar qualquer importância ao seu direito de nascença” (Gn 25: 29-34).

O engando praticado por Jacó foi criticado pelos profetas (cf. Os. 12: 4; Jer 9: 3), e ele sofre algumas consequências por esse engano no texto de Gênesis. Por exemplo, ele foi enganado por seu tio a se casar com Lia, a filha mais velha de seu tio, em vez de Rachel à quem ele amava. E mais tarde, quando seu filho José é vendido como escravo, os filhos de Jacó o enganam encharcando-lhe a túnica de José no sangue de uma cabra. A ironia é óbvia, pois Jacó enganou a seu pai Isaac, usando uma pele de cabra para fingir ser o seu irmão Esaú (Gn 27: 15-16; 37: 31-33).

Jacob mentir para seu pai serviu a providência de Deus. Deus escolheu Jacó ao invés de Esaú (cf. Mal 3: 1; Rm 9:13.). Para Jacob, Deus fez a bênção prometida a Abraão (Gn. 28: 3-4). O próprio Deus confirmado quando Jacob mostra a escada para o céu (Gn 28: 10-15). Então Jesus aplicar esse sonho de Jacob si mesmo, revelando que no céu Ele e toque a terra e o humano eo divino se encontram. O próprio Jesus é o que Jacob chamado de “o portão do céu” (cf. João 1:51 ;. Gen 28:17).

Deus muda o nome de Jacob depois de uma noite de luta misteriosa. O nome “Israel” significa “aquele que tem lutado com Deus” (cf. Gen 32:28; 35:10; Os. 12: 5).

José e Judá

Os doze filhos de Jacó são as doze tribos de Israel.

Na história de José e seus irmãos, vemos mais uma vez que Deus escolhe um dos mais jovens para realizar o seu plano de salvação.

José prenunciou os sofrimentos de Jesus e da salvação conquistada para nós. Ele é uma vítima do ciúme e rejeição de seus irmãos, os filhos de Israel. Eles o vendem como escravo por vinte moedas de prata. No entanto, José perdoa seus irmãos e os salva da morte por inanição.

Mais uma vez, Deus nos mostra que usa o mal, que planejam os homens, para os propósitos de Seu plano salvífico (Gn 50: 19-21).

O primeiro livro da Bíblia termina com as bênçãos de Jacó-Israel em seu leito de morte. A Judá, ele promete uma dinastia real e eterna (Gn 49: 9-12). Ele governará os povos do mundo uma passagem que a Igreja interpreta como a promessa da vinda de Jesus, o Messias-Rei. A descendencia de Judá é a dos reis Davi e Salomão (ver 2 Sam 8: 1-14; 1 Rs. 4: 20-21).

Jesus virá como um verdadeiro filho de Davi (cf. Mt. 1: 1-16) e “Leão de Judá” (Ap 5: 5). A família de Deus havia migrado do leste do Éden para o Egito. Em nossa próxima lição veremos como Deus cumpre a promessa que Jacó fez a José, “Deus estará contigo e retornarás à terra de teus ancestrais” (Gn 48:21).

V. Questões para Estudo

1. Em que sentido podemos dizer que a aliança com Noé sinaliza o sacramento do batismo?
2. Quais são as três partes da aliança entre Deus e Abraão?
3. Quais são os paralelos mencionados na antiga tradição da Igreja, entre o sacrifício de Isaac e de Cristo na cruz?

Para rezar e refletir:

A Liturgia das Horas da Igreja sempre incluiu o Cântico de Zacarias (cf. Lc 1. 68-79) no Laudes, no Magnificat (cf. Lc 1. 46-55) e nas Vésperas. As duas canções anunciam a vinda de Jesus como o cumprimento da aliança de Deus com Abraão. Reze estas orações bíblicas da igreja pedindo a Deus para compreender mais plenamente “a promessa a nossos pais, a Abraão e à sua descendência para sempre.”

5 replies »

  1. Parabéns pelo maravilhoso estudo. Continue… É muito importante este tipo de estudo, de conteúdo magnífico. Obrigada, dirce.

    Like

  2. Hellen, acabo de chegar neste site e estou gostando muito. Sua explicação bibica no contexto atual, enquanto Novo Testamento, é simplesmente muito bom. Parabéns e espero aproveitar suas reflexões para primorar a mente interior.
    Salva Rainha
    Cristina Cilento

    Like

Seja respeitoso. Atenha-se ao tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s